A arca de Noé — Um tipo de Cristo



“Que, prefigurando o batismo, agora também vos salva, o qual não é a remoção da impureza da carne, mas a promessa de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo.”
– 1 Pedro 3:21, AL21
VEMOS NO CONTEXTO que o Apóstolo Pedro tem em mente o grande Dilúvio. Ele recorda a seus leitores que toda a humanidade pereceu no Dilúvio salvo oito almas, que foram preservadas de um túmulo em água por meio da Arca que Deus lhes proporcionou. Aquela Arca, ainda que submergida na água, era sua salvação. Pedro declara que isto é “uma verdadeira figura — o batismo.”Devemos notar que aqueles que se salvaram no Dilúvio não se salvaram do tormento eterno, e que um símbolo parecido da salvação não indicaria que a Igreja se salva do tormento eterno por seu batismo em Cristo. Noé e sua família salvaram-se da morte; e a Igreja de Cristo se salva igualmente da morte por seu batismo.

Assim como o mundo inteiro faleceu no grande Dilúvio, assim também o mundo inteiro da humanidade agora é um mundo moribundo, um mundo perecível. A classe da Igreja era daquele mundo até que saísse dele por meio de Cristo. Assim como Noé e sua família salvaram-se da morte entrando na Arca em obediência a Deus, assim também a Igreja de Cristo se salva da morte adâmica por obediência a Deus, aceitando Sua oferta de salvação. (João 17:16;15:19.) A Arca de Noé representou a Cristo. Quem quer que entre em Cristo entra em segurança e salvação, fora do perigo e da destruição. Diz-se que todos aqueles que entram nesta relação com Deus mediante Cristo têm passado “da morte para a vida.” —João 5:24.

Só um número muito limitado entra em Cristo e cumpre este quadro. Isto não inclui àqueles que simplesmente dizem, “desejo viver uma vida melhor.” Fazer isto é recomendável; mas isto não constitui uma aproximação a Cristo; já que quando o Apóstolo diz, “Se alguém está em Cristo, é nova criação; as coisas velhas já passaram; e surgiram coisas novas.” (2 Cor. 5:17, AL21) Tudo o que se compreende nas palavras “Nova Criação” ainda os verdadeiros cristãos chegam a ver só gradualmente. Uma Nova Criatura é uma pessoa que tem morrido quanto a sua natureza humana, a que tem novas esperanças, novas ambições, novos afetos, a que tem as promessas preciosas de Deus e a perspectiva de uma existência espiritual no futuro em vez de uma existência humana. Ela é uma exceção a outros em que ela tem sido gerada do Espírito Santo. Desde o ponto de vista divino já não é um ser humano; uma nova vida tem começado nela.

Esta Nova Criatura é ao princípio um bebê, e deve tomar o alimento espiritual e crescer em Cristo cada vez mais. Deus tem proporcionado “preciosas e grandíssimas promessas” de Sua Palavra, para que esta classe possa se animar, se reforçar, se desenvolver, assim se fazendo mais firme para a justiça e se opor ao que é pecaminoso. A Igreja é efetivamente uma Nova Criação, como diz o Apóstolo. —2 Pedro 1:4; Ef. 2:2.

Dois Símbolos Parecidos Da Salvação Da Igreja

Regressando ao nosso texto: notamos que Pedro diz, “Uma verdadeira figura — o batismo, vos salva.” A salvação mediante a Arca foi um símbolo da salvação da Igreja por meio do batismo em Cristo; o batismo em água é outro. Há uma correspondência entre estes dois símbolos. Noé e sua família foram submergidos em água literal. Os candidatos para o batismo também são submergidos em água literal. Mas em nenhum caso foi a água o que os salvou. Também não é o batismo externo o que nos salva, exceto simbolicamente. Isto representa o verdadeiro. Mas o símbolo não consiste em tirar a imundícia da carne (do corpo) em água. E a imundícia de nossa carne como Novas Criaturas que se pode tirar-se só pela graça de Deus em Cristo, “com a lavagem da água, pela palavra”; este é um processo gradual depois que nos façamos Novas Criaturas. Então nenhum destes é o que é prefigurado no batismo em água.

Nosso texto indica-nos um batismo peculiar, não um batismo que faz limpa a carne, nem literalmente nem simbolicamente, senão como “a indagação de uma boa consciência para com Deus.” Que tem dito Deus a que deveríamos responder? Respondemos que nosso Pai Divino nos chamou nos convidou, a uma maravilhosa herança Divina, e respondemos aceitando Seu convite. Ele nos convidou a ser um povo separado. Assim como Deus disse a Noé e a sua família que deveriam se salvar se reunindo na Arca, assim também Ele diz a todos os que são convidados durante esta Era ou Idade Evangélica, “Reuni os meus santos, aqueles que fizeram uma aliança comigo por meio de sacrifícios.” —Sal. 50:5, AL21

Notemos a quem devemos juntar-nos. Erros sérios fizeram-se aqui. Alguns têm pensado que deveríamos nos unir a Lutero; outros a Calvino; outros a Wesley, etc. Não é assim! “Reuni os meus santos,” diz Jeová. Ele não nos disse unir-nos na Igreja de Roma, na Igreja da Inglaterra, na Igreja Luterana, na Presbiteriana, na Metodista, na Batista, ou em qualquer outra organização artificial. Milhões unem-se nestas várias denominações cujas vidas manifestam que não conhecem a Deus, nem também não tentam lhe conhecer.

O Pacto De Sacrifício

Somente muito poucos têm feito esta Aliança ou Pacto de Sacrifício com Deus, e apresentaram seus corpos como sacrifício vivo com Cristo, em resposta ao chamado especial de Deus durante a Era Evangélica. Deus não trata de atrair ao mundo agora. Ele nos diz que são cegos e surdos. Como disse Jesus, “Quem tem ouvidos, ouça.” Em outra ocasião Ele disse a Seus discípulos, “Bem-aventurados os vossos olhos, porque vêem, e os vossos ouvidos, porque ouvem.” (Mat. 11:15; 13:16) Damos graças a Deus a favor daqueles que têm olhos para ver e ouvidos para ouvir. É um grande privilégio ouvir e ver.

O Apóstolo Paulo diz-nos por que a grande parte da humanidade não pode ouvir a Mensagem do Evangelho Glorioso. Ele diz, “O deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos.” (2 Cor. 4:4.) Satanás é este deus. Ele está em oposição violenta a cada linha do grande Plano de Deus. Ele tem sido o adversário de Deus desde seu desvio da justiça. Ele faz tudo em seu poder para frustrar os arranjos de Jeová. Ele sabe que se os homens pudessem ver uma vez a luz da bondade de Deus e ouvissem a Mensagem alegre da graça de Deus, isto teria tal atração que a grande maioria responderia seguramente. Daí que ele trata de lhes impedir de ver e ouvir. Ele tem dispositivos multitudinários para cegar aos homens. Perspectivas terrenas justas, ambições de serem grandes, esquemas egoístas para ganhar vantagem sobre seus colegas—todas estas e muitas outras coisas parecidas se apresentam para mantê-los cegos às coisas do valor verdadeiro e perdurável.

Àqueles que têm fome das coisas de Deus, Satanás tenta separá-los em vários movimentos de reforma, como o socialismo, o voto da mulher, a proibição do tráfico de licor, etc. Ele faz isto para lhes impedir ouvir o chamado especial de Deus. Todas estas coisas talvez sejam boas para os mundanos. Estes movimentos acordam provavelmente mais ou menos o pensamento e desenvolvem o sentimento de acordo com a restituição para a próxima Idade ou Era. Mas nenhum destes é o trabalho para os santos de Deus neste lado do véu. Satanás gostaria de enganar a estes, no entanto, e os atrair em alguns destes movimentos para lhes impedir de ver e fazer o verdadeiro trabalho da Igreja de Cristo, e assim lhes impedir de fazer firme sua vocação e eleição.

O verdadeiro Evangelho é a História mais maravilhosa em todo mundo! Não há nada como ele!—que Deus convida agora uma classe para se fazer herdeiros de Deus, co-herdeiros com Cristo, “para uma herança incorruptível, incontaminável… reservada nos céus para vós” para os fiéis do Senhor, uma herança que é “imarcescível!” (Rom. 8:17; 1 Pedro 1:4.) Realmente, “As coisas que olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem penetraram o coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam.” —1 Cor. 2:9.

“A Promessa De Uma Boa Consciência”

Nossa entrega ao Senhor foi “a promessa de uma boa consciência.” Quando Deus nos convidou a nos fazer sacrifícios vivos por meio de Cristo, ser santos e seguir a Jesus, a resposta de nossa consciência foi, “Senhor, respondemos, aceitamos teu convite bondoso.” Não foi esta a resposta de uma boa consciência? Sim assim foi. Que pudesse dizer uma boa consciência para Deus além de se alegrar de fazer a vontade do Pai Divino? Ele nos fez o convite mais maravilhoso, proporcionando a um Redentor para abrir o caminho a toda esta glória e honra com Cristo. A única resposta de uma boa consciência seria, “Aqui, Senhor, dou meu pouco, tudo a Ti!” Isto é o que significa o batismo; e isto é seguramente nosso “culto racional,” como diz o Apóstolo. (Rom. 12:1) É a coisa mais razoável que se possa imaginar. Portanto, deveríamos cumprir nosso pacto de consagração até a morte.

Se nosso Senhor Jesus, após ter feito este Pacto ou Aliança de Sacrifício com Deus e ter começado o trabalho de cumpri-lo, tivesse dito, “Pai, sei que vim à terra para fazer a Tua vontade; mas encontro que tantas pessoas me entendem mal e falam mal de Mim que não posso continuar desta maneira. Eles distorcem todo o bem que trato de fazer; e não posso levar a cabo nada.” Como teria respondido o Pai? Sua resposta tivesse sido, “Se tu preferes a aprovação dos homens em vez da minha, escolhas entre as duas coisas. Não posso te dar a recompensa gloriosa que te ofereci a não ser que Tu cumpras as condições. Tu deves amar Minha vontade mais que qualquer outra coisa ou não posso te aceitar.”

Assim é com os seguidores de Jesus. Recebemos as mesmas provas que Ele. O Pai não permite que as provas nos pressionem excessivamente, e Ele fornece Sua graça em todo o tempo oportuno; mas devemos ter um coração que responde totalmente à vontade de Deus ou não podemos ser aceitáveis; perderemos o prêmio e Ele nos considerará servos infiéis. Devemos querer que a lealdade a Deus nos custe algo, sim, até a perda de todas as perspectivas terrenas.

A atitude de coração que diz “Desde quando o correto seja tão fácil como o incorreto, escolherei o correto, mas se o incorreto seja mais fácil que o correto, escolherei o caminho mais fácil,” é ser desleal a Deus. Tal coração seria indigno do Supremo Chamado Glorioso. Efetivamente, ainda faria indigno a um ser humano. Devemos ser leais ao principal, ou Deus nos recusará. O Senhor Jesus expõe o assunto justamente assim quando diz, “Quando o Filho do homem vier na glória de seu Pai com os santos anjos, ele também se envergonhará de quem se envergonhar de mim e das minhas palavras.” (Marcos 8:38, AL21) Jesus estaria envergonhado de ter tal classe de pessoas em Seu reino. —Sal. 51:6; 66:18.

O Pai e o Filho estão vigiando para ver quão fiéis somos. Se formos fiéis—debaixo de condições desfavoráveis do presente—quando a lealdade à Verdade traz muita repreensão, quando as pessoas apontam com o dedo o desprezo que tem para conosco, então o Senhor dirá, “Estes são os que reinarão em Meu Reino. Aqueles que se deleitam tanto em Meu amor e aprovação para me servir incondicionalmente, que apesar dos mal-entendidos, as perseguições e os sofrimentos, serão fiéis quando sejam exaltados a postos de glória.”

A Morte Com Cristo É A Porta À Glória

Tais queridos filhos fiéis de Deus “seguem o Cordeiro para onde quer que vá.” A estes o Senhor Jesus dirá, “Tenho prazer em lhes dizer, Se sentem Comigo em Meu Trono.” (Apoc. 2:26,27; 3:12,21.) Em Romanos 6:3 o Apóstolo diz, “Ou, porventura, ignorais que todos quantos fomos batizados em Cristo Jesus [no Corpo do qual Cristo é a Cabeça] fomos batizados na sua morte?” Estes se fazem com Jesus O Cristo de Deus, O Ungido de Deus; pois a palavra Cristo significa O Ungido. Deus nunca tem incluído a ninguém como membro da Igreja de Cristo exceto aquele que entregou totalmente sua vontade a Ele e se fizeram mortos para o mundo.

Este é nosso batismo na morte como seres humanos e na vida como seres espirituais. Nossa natureza espiritual somente se gera ainda, mas nasceremos como seres espirituais em nossa “mudança” na Primeira Ressurreição. Somos levantados agora, como Novas Criaturas, para “andar em novidade de vida”, mas não levantados ainda no sentido completo. Não temos recebido nossos novos corpos ainda. Nossa nova mente está em processo de desenvolvimento. Temos dito que demos tudo a Deus. Se continuemos nesta atitude e cumpramos nosso pacto fielmente, permaneceremos em Seu amor e a seu devido tempo seremos associados de Seu Filho na glória. O entregar de nossa vontade na consagração é só o princípio do assunto. Dia após dia, semana após semana, mês após mês, devemos cumprir os termos de nosso pacto ou aliança. Não devemos ter nenhum pensamento de retrocedermos. Tendo posto nossas mãos ao arado, não devemos nem sequer olhar para trás. “Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus.” —Lucas 9:61.

Quando Jesus esteve aqui na carne, em certa ocasião Ele fez algumas declarações muito fortes (João 6:50-69); e está escrito, “Por causa disso muitos dos seus discípulos voltaram para trás e não andaram mais com ele.” Eles disseram, “Duro é este discurso; quem o pode ouvir?” Disse então Jesus aos doze: “Quereis vós também retirar-vos?” Simão Pedro—o impulsivo mas nobre Pedro—respondeu, “Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna.”

Não há nenhuma outra Mensagem de vida eterna aberta durante a presente Idade ou Era que o chamado de ser co-herdeiro com Cristo, de sofrer até a morte com Ele para que possamos compartilhar Sua glória no futuro. Este é o único caminho pelo qual nós podemos entrar na Arca e preservar da morte geral que está ao nosso redor. Jesus é nossa Arca de Segurança. “Pela ressurreição de Jesus Cristo” nosso batismo faz-se possível, como declara nosso texto.

É este mesmo Simão Pedro que nos diz em nosso texto que a Arca de Noé era um símbolo de um poder salvador, uma semelhança ou figura de que somos salvos agora mediante o batismo em Cristo. Que refúgio é esta Arca de Segurança! Assim como Noé e sua família estavam no mundo, mas não eram do mundo, e foram levados sãos e salvos através das águas que lhes rodeavam-nos quais todo o mundo estava morrendo, assim também é com aqueles que estão em Cristo. A cada um ao nosso redor está na morte, como diz a Bíblia: “O mundo inteiro jaz no Maligno.” (1 João 5:19) Somente a Igreja tem evitado a condenação sobre o mundo.

Nós que éramos filhos da ira o mesmo que os demais fomos condenados à morte com o resto do mundo. Mas o Senhor nosso Deus trouxe-nos bondosamente em uma relação de filhos, por nossa fé em Cristo e nossa obediência ao arranjo Divino nele. E assim como Noé e sua família, após sua libertação, começaram o mundo de novo, assim também Cristo e Sua Noiva darão com o tempo a vida de novo a toda a raça da humanidade que aceite a provisão bondosa para eles em Cristo.

O mundo morto antes terá uma ressurreição, com a oportunidade de viver de novo por completo. Cristo será o Pai Eterno da raça (Isa. 9:6,7), e a Igreja será a mãe. Apesar de quão magníficas e gloriosas são as bênçãos que estão guardadas para o mundo da humanidade quando eles tenham aprendido sua lição do pecaminoso do pecado, ainda muito maior e maior será a recompensa da Igreja fiel, que ama tanto ao Senhor que ela está disposta e alegre de obedecer e seguir a Jesus debaixo das condições dolorosas e difíceis do presente.





Comentários

Postagens mais visitadas